Βαφή Μέθης

11228902_1499286543726006_4664668690082707826_n
Φύσις, por Úlfgangr.

Outros templos são maiores e mais luxuosos que a Casa de Bast, mas nenhum é mais agradável aos olhos do que este.”

— Heródoto, Histórias Livro II, cap. 137

[“Ναοί είναι πιο ευρύχωρο και πιο δαπανηρό από αυτό του Βούβαστις, αλλά καμία τόσο ευχάριστο να βλέπω.” – Ο Ηρόδοτος]

 

Άγιος Ό Βούβαστις!

~ Fenrirsvolk, 127 yF

Lámias Naturalis

Lámias Naturalis

O homem é feito de momentos.
Alguns flashes de eternidade que se repetem,
no meio de uma terra deserta.
Somos, assim, meras folhas amareladas caindo no solo recém húmido de chuva.
O cheiro da terra vindo daquele incenso que deixei ao lado
Tudo me lembrava os rostos que deixei para trás
Óleo de amêndoas junto ao carvão
Nada mais perfeito que uma chuva
Para que os olhos da natureza me fitassem

Em meio à densas folhagens
Uma árvore chamava minha atenção
Suas cascas em sangue
eram os resquícios de vícios por inflamar

Meus pés sobre a poeira
Da qual vim, e para qual voltaria
Poeira Sou, observando a árvore
Me chamando para seu espetáculo
A ninfa que ali vive deu-me um presente.

E aqui, no presente
Penso nas dádivas que o cosmo me proporcionou
Todas as maldições do passado
O futuro, porvir incerto
Num labirinto de vozes me encontro
As folhas vibram ao vento
Natureza em uníssono coro

Uni-verso…

Quem me dera ter o dom daquela
Ninfa da árvore cinzenta
O dom de ser poesia no que não é dito
Curvar-se ao vento
Perder as folhas
Descer ao inverno e cantar no espaço
Entre sons…

Não eram os sons que faziam as sereias
Que levaram os navegantes à loucura
Mas o vazio entre os cantos.

Longínquos cantos de silêncio…

~ Viktor Kruschev  –  Peculiar

Escrito sob a inspiração das sarcedotisas dos bosques.

Hamadríades e Physis

Hamadríades e Physis

As hamadríades (Ηαμαδριάδες) são ninfas que nascem com as árvores, devendo protegê-las, e com as quais partilham o destino.

Calímaco conta no seu “Hino a Delos” que a disposição e temperamento destas deidades variava em conformidade com a das suas protegidas (árvores), dispensando-se em prantos aquando da queda das folhas ou da estridente alegria à chegada das chuvas da primavera sobre a juventude das verdes folhagens.

E se em algumas lendas poderia viver durante “cerca de dez vidas de palmeiras” ou quase 1000 anos, em outras versões, a morte anunciava-se-lhes com as das suas árvores.

Continuar lendo “Hamadríades e Physis”

Um Vislumbre do Pathei-Mathos

Um Vislumbre do Pathei-Mathos

 

Alguns dias atrás, acordei ansioso. Um dos nossos quatro gatos que tinha quinze anos, estava perdido. Ele tinha estado ausente durante toda a noite. Eu me vesti e saí para procurar ao redor. Era uma manhã fria com um céu cinzento, tudo estava sobrecarregado por uma camada de gelo. Meu amado companheiro estava longe de ser encontrado. Persistente, decidi ir ao quintal do meu vizinho, como eu sabia que ele gostava de ir lá de vez em quando.

Continuar lendo “Um Vislumbre do Pathei-Mathos”